Como vou conseguir criar filhos bilíngues se meu marido americano não fala português?

parents to be

Recentemente, uma futura mamãe que segue o blog da ABC Multicultural, fez as seguintes perguntas:

Se meu marido é americano, como vou conseguir falar somente português com minha filha quando ela nascer? Quando estivermos junto com ele, vai ser difícil falar com ela numa língua que ele não entende. Como vamos ter momentos de família se eu vou estar falando uma língua e ele outra?

Quando ví estas perguntas nos comentários de um post da fan page da ABC Multicultural tive que responder, pois eu mesma tive todas estas duvidas no passado. Abaixo estão minhas respostas a esta mamãe, que trazem explicações e informações sobre bilinguismo em famílias compostas por duas nacionalidades diferentes:

Oi, futura mamãe! PARABÉNS pela gravidez. Suas perguntas são muito boas e tenho certeza que várias outras mães na sua situação têm as mesmas dúvidas. Eu era uma delas! Meu marido também é americano e monolíngue, e tudo deu certo! Minhas duas filhas (de quase 3 e 6 anos de idade) são bilíngues fluentes e isto é muito gratificante para nós dois. Além desta gratificação de pais corujas, sabemos que o bilinguismo irá beneficiá-las imensamente pelo resto da vida. Agora, vou responder suas perguntas, mas por partes, para esclarecer certas coisas antes:

O que faz uma criança crescer e ser bilíngue?

O que faz uma criança crescer e ser bilíngue é a exposição balanceada as duas línguas e a consistência desta exposição. Ou seja, para que a aquisição do português e do inglês aconteça ao mesmo tempo (e naturalmente) é preciso que a criança escute, fale e interaja nestes dois idiomas diariamente e numa intensidade similar. Esta exposição precisa também ser consistente para que a criança crie uma referência e possa compreender com quem, onde e quando falar português ou inglês.

Quando a mãe e o pai são brasileiros

Quando a mãe e o pai são brasileiros e o português é a língua principal da família, é preciso que sejam introduzidas outras maneiras de expor a criança ao inglês. Neste caso, funciona muito bem a regra de falar português em casa e inglês fora de casa. Este método é conhecido como “Minority Language at Home (ML@H)”. No método ML@H, a referência do bebê/da criança é o ambiente: “dentro de casa = português” e “fora de casa = inglês”.

Quando a mãe é brasileira e o pai é americano (ou vice-versa)

Quando a mãe é brasileira e o pai é americano é mais eficaz que a mãe fale apenas português (em quase toda e qualquer situação) e que o pai fale apenas inglês com o bebê/a criança. Este método é super eficiente quando usado consistentemente e é chamado de “One Person, One Language (OPOL)”. No método OPOL, a referência do bebê/da criança é a pessoa: “mãe = português” e “pai = inglês”.

Independente do método usado pela família (OPOL ou ML@H) é importante que a criança também seja exposta ao português de outras formas:

Em casa: lendo livros infantis em português, assistindo programas infantis no YouTube em português, assistindo TV infantil em português, tendo uma babá brasileira, etc.

Fora de casa: frequentando escola ou classes de português, visitando e interagindo com parentes e amigos brasileiros (pessoalmente, por telefeone ou video), viajando para o Brasil, etc.

Estas outras formas de exposição ao português ajudam e dão suporte ao aprendizado do idioma. Assim como a criança é diariamente exposta ao inglês de outras formas que não seja somente conversando com o pai ou a mãe, ela também precisa ser exposta ao português de outras formas, como as mencionadas acima.

Como conciliar o português e o inglês na minha família sem prejudicar a interação do daddy?

Esta era minha grande duvida quando minha primeira filha nasceu, mas tudo foi acontecendo com naturalidade e foi mais fácil do que eu imaginei. Eu me reacostumei a falar português diariamente e o meu marido se adaptou a me escutar falando em português apenas com nossa filha. Em todo o processo, a única pessoa que precisou se disciplinar foi eu, que já não tinha mais o costume de me comunicar diariamente no meu idioma nativo. O meu processo de adaptação foi fácil porque a minha referência/regra era “bebê = português”. O marido se adaptou com facilidade e a minha filha já nasceu dentro desta situação. Então pra ela, e depois para a segunda filha, não houve nenhum tipo de adaptação, pois elas já nasceram dentro deste ambiente bilíngue. O Português como Língua de Herança (PLH) é um presente maravilhoso que as dei e que você também pode dar aos seus filhos.

Então, desde sempre, os dois idiomas foram as línguas das minhas filhas. Aos 2 aninhos e meio já traduziam palavras e sentenças simples para o pai e já sabiam com quem falar português e com quem falar inglês. Nesta idade, elas já mudavam de um idioma para o outro na maior tranquilidade. Nada disto foi ensinado. Tudo aconteceu com naturalidade por causa da minha consistência em sempre e somente falar português com elas. Existem sim exceções, mas no mínimo possível. Antes mesmo de entender o significado das palavras, a referência linguística das minhas filhas era e sempre será: “mamãe = português” e “daddy = English”.

A mesa de jantar e o tempo em família é uma oportunidade excelente para o bebê/toddler/criança desenvolver a habilidade da tradução e compreensão dos dois idiomas simultaneamente.

Incentive o daddy a perguntar “What are you talking about?” sempre que ele quiser saber o que você estiver falando com sua filha ou o que sua filha estiver falando com você. Ao escutar você traduzindo as palavras, frases, histórias e situações para o seu marido, sua filhinha aprenderá a compreender as diferenças e características linguísticas de cada idioma. E, rapidinho, ela mesma começará a traduzir para o pai o que vocês conversarem. Escutando você traduzir ou traduzindo as conversas ela mesma é a melhor maneira de aprender tradução e compreensão de dois idiomas ao mesmo tempo.

Eu e você, provavelmente, estudamos e aprendemos um segundo idioma quando adultas, nos tornamos bilíngues e falamos inglês com sotaque de estrangeiras. Quando você cria uma criança bilíngue desde o nascimento, a criança não aprende um segundo idioma, ela adquire ao mesmo tempo dois idiomas. É uma aquisição natural e simultânea de dois sistemas de linguagem diferentes um do outro. Para a criança é simples assim! São os pais que precisam se adaptar e ser consistentes no método usado para criar os filhos bilíngues.

Ver sua filha crescer bilíngue irá trazer muitos momentos lindos e de orgulho para você e seu marido. Vocês vão notar, logo cedo, os benefícios que isto trará para ela e para a família de vocês também! Te desejo toda sorte e muita consistência da sua parte nesta jornada incrível.

You can do it!!!

Livros infantis em português para brasileirinhos nos EUA. Veja abaixo!

Born in Brazil, Ana Cristina moved to the United States in 1999. Following the birth of her first daughter in 2011, she realized how important it was that she pass on her native language and culture to her children. As a result, she decided to create her own line of books and founded ABC Multicultural (former Little Gringo) in 2013.